XD Classificados Facebook Twitter

Esportes

imagem

Vera Noivas

imagem

Planeta Animal Casa De Ração

Rações, Medicamentos, Materiais de Pesca.

imagem

Drogarias Legítima

Faça seu Pedido.

imagem

Azulzinho Restaurante


Esportes

foto

Por Renato Peters E Hector Werlang — Salvador 18/06/2019 13H22 Atualizado Há 3

STJD rejeita anulação do jogo, e Palmeiras volta a ter três pontos da vitória contra o Botafogo

Por 9 votos a 0, Pleno indefere pedido do clube carioca, que alegava erro no uso do VAR


O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu de forma unânime nesta terça-feira pela manutenção da vitória do Palmeiras sobre o Botafogo, por 1 a 0, em partida da sexta rodada do Campeonato Brasileiro, em Brasília.

Todos os nove votos foram contrários à anulação: Decio Neuhaus (relator), Otávio Noronha (vice-presidente do STJD), Ronaldo Piacente (vice-presidente administrativo), João Bosco Luz (auditor), José Perdiz (auditor), Mauro Marcelo de Lima e Silva (auditor), Arlete Mesquita (auditora), Antônio Vanderler (auditor) e Paulo César Salomão Filho (presidente do STJD).

Os três pontos, portanto, voltam a ser computados para o Palmeiras na tabela de classificação: em vez de 22 pontos, o time paulista passa a contar com 25 pontos em nove rodadas.

Como o julgamento foi realizado pelo Pleno, última instância no Brasil, eventual recurso só poderá ser interposto no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), com sede na Suíça.
– Isso (possível recurso) vai ser conversado internamente, mas é evidente que o resultado não era o esperado pelo Botafogo, que tem plena convicção de que houve erro de direito e que seria o caso, sim, de uma anulação de partida. Respeitamos o resultado do Tribunal e discutiremos internamente – disse o advogado do Botafogo, Anibal Rouxinol.

– A respeito do resultado, o Palmeiras tem muita consciência do trabalho que faz. O departamento jurídico trabalha sempre muito forte. A gente esperava nada menos do que a improcedência e a manutenção do resultado de campo – avaliou André Sica, executivo jurídico do Palmeiras.

O julgamento

O caso foi levado a julgamento a pedido do Botafogo, que entendeu ter havido uma utilização errada do VAR para marcação do pênalti que garantiu ao Palmeiras a vitória por 1 a 0. A acusação do clube carioca é de que a arbitragem reviu o lance da falta no atacante Deyverson, dentro da área, depois de a partida já ter sido reiniciada.

A sessão ocorreu em Salvador por ocasião de um workshop de Justiça Desportiva no auditório da Faculdade Baiana de Direito.

No início do julgamento desta terça-feira, foram exibidos vídeos do lance, com diferentes ângulos e o áudio da comunicação entre a cabine do VAR e o árbitro Paulo Roberto Alves Junior.

– Segura, segura, Paulo. Não inicia. Aguarda, aguarda, aguarda – dizem os operadores de vídeo, assim que o goleiro do Botafogo, Gatito Fernández, cobra o tiro livre indireto.

– OK, OK, OK, mas fala antes – responde o árbitro, depois de efetivamente paralisar a partida em Brasília.

Árbitro nega ter reiniciado o jogo

Presente na sessão para depoimento, Paulo Roberto Alves Junior negou que tenha autorizado o reinício do jogo. De acordo com a regra, em situações de cartões – antes da revisão, Deyverson chegou a receber amarelo por simulação –, é preciso apitar.

– Como o Botafogo cobra rápido (o tiro livre indireto), porém era situação de cartão amarelo, e eu não tinha autorizado, eu já paraliso a cobrança, porque pela regra não tinha utilizado o apito – disse o árbitro, nesta terça-feira, antes de ser questionado se o movimento de esticar o braço não significa autorização para o reinício do jogo.

– Aquilo ali é só uma sinalização, porque toda simulação é tiro livre indireto. No caso de tiro livre indireto, tenho que levantar o braço para demonstrar que é cobrança que tem que ser efetuada em dois lances – respondeu, ao reconhecer que "faltou um pouquinho dessa informação de que já estava tendo checagem no início".

Por videoconferência, Adriano Milczvski, árbitro de vídeo naquele dia, também prestou seu depoimento. Segundo ele, a cabine analisava os replays em checagem silenciosa antes de tomar conhecimento do lance faltoso do zagueiro Gabriel, do Botafogo, em Deyverson.

O caso
O Palmeiras venceu o Botafogo por 1 a 0, em 25 de maio, em Brasília. O gol foi marcado pelo zagueiro Gustavo Gómez aos 16 minutos do segundo tempo, em pênalti assinalado após revisão em vídeo.

A princípio, o árbitro Paulo Roberto Alves Junior havia entendido que Deyverson, do Palmeiras, tinha simulado uma falta dentro da área. Mas, ao rever a jogada, apontou falta do zagueiro botafoguense Gabriel e retirou cartão amarelo dado ao atacante.

O Botafogo, então, entrou com pedido para impugnação do jogo por entender, com base na regra 5 da FIFA e no protocolo 8.12 do VAR, que a decisão foi revista com a partida já reiniciada em tiro livre indireto.

Daí até a apreciação do caso pelo STJD, nesta terça-feira, os três pontos conquistados na partida foram momentaneamente retirados do Palmeiras na tabela de classificação.

Fonte: G1

18 de Junho de 2019

19:21:47

compartilhe

Contador: 000287

imagem

R A Cosméticos

imagem

Espaço Mantiquira

VENHA NOS VISITAR !!
SEU ESPAÇO DE NEGÓCIOS E ENTRETERIMENTO.

imagem

Yes- Unidade Xerém

imagem

Sítio São José

LONGE DA CONFUSÃO DA CIDADE.